sábado, 10 de fevereiro de 2018

HABACUQUE QUESTIONA DEUS!



Pr. Esmair

sábado, 19 de agosto de 2017

A Ceia do Senhor


A Ceia do Senhor



“... e tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Este cálice é o novo testamento no meu sangue...”(1 Co 11.24-25).


A Ceia do Senhor é descrita em quatro trechos bíblicos: (Mt 26.26-29; Mc 14.22-25; Lc 22.15-20; Co 11.23-32).


Sua importância relaciona-se com o passado, o presente e o futuro.


I - Sua importância no passado


(a) é um memorial (gr. anamnesis; vv. 24-26; Lc 22.19) da morte de Cristo no Calvário, para redimir os crentes do pecado e da condenação.


Através da Ceia do Senhor, vemos mais uma vez diante de nós a morte de Cristo e seu significado redentor para nossa vida.


A morte de Cristo é nossa motivação maior para não cairmos em pecado e para nos abstermos de toda a aparência do mal (1 Ts 5.22).



(b) É um ato de ação de graças (gr. eucharistia)pelas bênçãos e salvação da parte de Deus, provenientes do sacrifício de Jesus Cristo na cruz por nós (v. 24; Mt 26. 27-28; Mc 14.23; Lc 22.19).



II - Sua importância no presente.

(a) A Ceia do Senhor é um ato de comunhão (gr. koinonia) com Cristo e de participação nos benefícios de sua morte sacrificial, e, ao mesmo tempo, comunhão com os demais membros do corpo de Cristo (1 Co 10.16-17).


Nessa ceia com o Senhor ressurreto, Ele, como o anfitrião, faz-se presente de modo especial (cf. Mt 18.20; Lc 24.35).


(b) É o reconhecimento e a proclamação da Nova Aliança (gr. kaine datheke) mediante a qual os crentes reafirmam o senhorio de Cristo e nosso compromisso de fazer a sua vontade, de permanecer leais, de resistir o pecado e de identificarmos com a missão de Cristo (v. 25; Mt 26.28; Mc 14.24; Lc 22.20).


III - Sua importância no futuro

(a) A Ceia do Senhor é um antegozo do reino futuro de Deus e do banquete messiânico futuro, quando então todos os crentes estarão presentes com o Senhor (Mt 8.11; 22.1-14. Mc 14. 25; Lc 13.29; 33.17, 18, 30).


(b) Antevê a volta iminente de Cristo para buscar o seu povo (v.26) e encena a oração: “Venha o teu Reino” (Mt 6.10; cf. Ap 22.20).



Na Ceia do Senhor, toda essa importância acima, só passa a ter significado se chegarmos diante do Senhor com fé genuína, oração sincera e obediência à Palavra de Deus e à sua vontade.


Fonte:http://www.reflexoesevangelicas.com.br/2011/08/ceia-do-senhor.html


sábado, 1 de julho de 2017

Filme Moisés (Moses) - 1995 (Completo)


Moisés foi um homem comum chamado por Deus para libertar seu povo, os Israelitas. Sua missão, libertá-los da escravidão no Egito e levá-los para Canaã, a terra prometida. Quando os israelitas correram risco de captura pelo exército do Faraó, Deus dividiu o Mar Vermelho para que Moisés e os que o acompanhavam pudessem fugir. Mais tarde durante a dura jornada, Deus proferiu através de Moisés, Os Dez Mandamentos, a lei divina.


De um lado luz , do outro treva e Deus no meio !

Uma fenomenal demostração do cuidado de Deus com o Seu povo!
 







De um lado luz , do outro treva e Deus no meio ! 



E ia entre o campo dos egípcios e o campo de Israel; e a nuvem era trevas para aqueles, e para estes clareava a noite; de maneira que em toda a noite não se aproximou um do outro.


Então disse o Senhor a Moisés: Por que clamas a mim? Dize aos filhos de Israel que marchem.
E tu, levanta a tua vara, e estende a tua mão sobre o mar, e fende-o, para que os filhos de Israel passem pelo meio do mar em seco.
E eis que endurecerei o coração dos egípcios, e estes entrarão atrás deles; e eu serei glorificado em Faraó e em todo o seu exército, nos seus carros e nos seus cavaleiros,
E os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando for glorificado em Faraó, nos seus carros e nos seus cavaleiros.
E o anjo de Deus, que ia diante do exército de Israel, se retirou, e ia atrás deles; também a coluna de nuvem se retirou de diante deles, e se pôs atrás deles.
E ia entre o campo dos egípcios e o campo de Israel; e a nuvem era trevas para aqueles, e para estes clareava a noite; de maneira que em toda a noite não se aproximou um do outro.
Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o Senhor fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela noite; e o mar tornou-se em seco, e as águas foram partidas.
E os filhos de Israel entraram pelo meio do mar em seco; e as águas foram-lhes como muro à sua direita e à sua esquerda.
E os egípcios os seguiram, e entraram atrás deles todos os cavalos de Faraó, os seus carros e os seus cavaleiros, até ao meio do mar.
E aconteceu que, na vigília daquela manhã, o Senhor, na coluna do fogo e da nuvem, viu o campo dos egípcios; e alvoroçou o campo dos egípcios.
E tirou-lhes as rodas dos seus carros, e dificultosamente os governavam. Então disseram os egípcios: Fujamos da face de Israel, porque o Senhor por eles peleja contra os egípcios.
E disse o Senhor a Moisés: Estende a tua mão sobre o mar, para que as águas tornem sobre os egípcios, sobre os seus carros e sobre os seus cavaleiros.
Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o mar retornou a sua força ao amanhecer, e os egípcios, ao fugirem, foram de encontro a ele, e o Senhor derrubou os egípcios no meio do mar,
Porque as águas, tornando, cobriram os carros e os cavaleiros de todo o exército de Faraó, que os haviam seguido no mar; nenhum deles ficou.
Mas os filhos de Israel foram pelo meio do mar seco; e as águas foram-lhes como muro à sua mão direita e à sua esquerda.
Assim o Senhor salvou Israel naquele dia da mão dos egípcios; e Israel viu os egípcios mortos na praia do mar.
E viu Israel a grande mão que o Senhor mostrara aos egípcios; e temeu o povo ao Senhor, e creu no Senhor e em Moisés, seu servo.


Êxodo 14:15-31

segunda-feira, 26 de junho de 2017

DE BARRO A VASO HÁ SETE PASSOS ATÉ QUE SEJA VASO







        A Bíblia relatar que em um determinado tempo a nação de Israel estava moralmente caída em pecados e, como Deus não tem prazer na destruição de seu povo, Ele ordenou que o profeta Jeremias trouxesse uma Palavra de arrependimento insistentemente ao povo. O Senhor Deus o leva à casa do oleiro para observar como seria a formação de um vaso. Queria  Deus mostrar para o profeta qual é o processo que o oleiro usa na construção de um vaso. Semelhantemente , Ele usar para restaurar os seus escolhidos, o seu povo.

        A palavra do Senhor, que veio a Jeremias, dizendo: Levanta-te e desce à casa do oleiro, e lá te farei ouvir as minhas palavras. E desci à casa do oleiro, e eis que ele estava fazendo a sua obra sobre as rodas. Como o vaso que ele fazia de barro se quebrou na mão do oleiro,tornou  a fazer dele outro vaso, conforme o que pareceu bem a seus olhos fazer. Então, veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? - diz o senhor; eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel. Jr. 18.1-6

Os Sete Passos :


Primeiro Passo : A escolha do barro, fala da escolha divina, o homem é escolhido antes mesmo de ser um vaso. Segundo os geólogos existem centenas de variedades de barros no planeta, mas apenas oito tipos servem para fazer um vaso. O oleiro conhece cada tipo de barro . Para uma boa construção esta escolha é fundamental. 







Segundo Passo:  Peneirar o barro;  tirar do barro as pedras, as raízes , os galhos secos e lixo.

Este processo fala do novo convertido quando sai do mundo e inicia o discipulado. Mas, também fala de um tempo muito doloroso quando o oleiro inicia o processo de limpeza das coisas do mundo na vida do crente. As pedras do orgulho, as raízes de amargura lá do mundo, os galhos secos das frustrações e decepções da vida, e ainda o lixo que retrata o pecado na vida do homem.




Terceiro Passo: O barro passa por um período mais doloroso, aquilo que antes era visto como torrões seco e duro, agora será umedecido com água, depois pisado e ainda amassado pelo oleiro. 


AMASSE BEM! O segredo da cerâmica é uma massa de argila bem amassada


Fala do tempo em que o homem estava com o seu coração duro e ressecado pelo vento seco do mundo, agora está sendo irrigado e umedecido pela água da palavra de Deus, mas em seguida ele recebe as primeiras provas; será amassado pelo oleiro, isso é necessário para dar sustentação e liga ao barro. Esse processo fala da Fé do cristão e da perseverança em meio as provações.



Quarto Passo: É o período de curtição. O barro é submetido a um longo tempo sozinho coberto por uma lona, com o objetivo de extrair todo impureza , ou bolha de ar para adquirir uma consistência maior para não trincar,  até que chegue no ponto de ser formado em um lindo vaso.
Esta etapa para quem tem uma chamada de Deus, é o tempo mais difícil do homem esperar. Esta fase do barro coberto fala do período do anonimato, o barro sozinho é o tempo que o obreiro passa na solidão, mas é exatamente nesse tempo que o oleiro divino extrai da vida do homem todos os sonhos e desejos da antiga vida, para que possa respirar o oxigênio do céu, e será esvaziado das bolhas do orgulho que faz trincar a verdadeira essência da vida cristã. O tempo de espera tem um prazo diferente para cada barro, como também depende do vaso que o oleiro quer fazer.


Quinto Passo: Após um longo período que o barro é preparado, o oleiro o coloca sobre as rodas, e em um curto espaço de tempo nas mãos do oleiro ele recebe a forma de um vaso, conforme a vontade do oleiro.
Esta é a etapa do longo período de preparo do barro e do curto prazo para a formação do vaso, isso fala sobre o ministério do obreiro.




Sexto Passo: Depois do vaso ficar pronto ele é colocado para secar  na sombra  até que ele se enxugue e fique resistente ao teste do forno que aumenta a intensidade aos poucos até que fique uma fornalha ardente. O período de descanso do vaso, se refere à proteção do senhor.



Sétimo Passo: O mais difícil de suportar;  nenhum vaso o suportaria sem ter passado por todos os outros passos,  o vaso é colocado dentro do forno,  é aquecido gradativamente e chega no final em altas temperaturas, e quanto mais o fogo aquece, mais o vaso fica bonito e forte, é nessa hora que ele é purificado de toda impureza interna não aparente, além disso ele é transformado para ser sempre um vaso útil.



         Ele é o Oleiro: O profeta Jeremias foi levado à casa do oleiro e observa-o moldar o barro. Deus mostra-lhe que  Ele é o Oleiro.  O barro não se molda sozinho; apenas Deus tem o poder para guiar a nossa vida, conforme vemos em Jeremias 18.6-10. 

        Nós somos o barro: Claro que na mensagem de Jeremias o povo de Judá representa o barro, porém não erramos ao aplicar isso à nossa vida pessoal que não está nas mãos de alguma "força" invisível" ou de um "destino" secreto , pois está nas mãos do Deus Todo Poderoso que dirige pacientemente a nossa vida, procurando realizar sua vontade. O oleiro trabalha com paciência o barro e modela com ternura.

         A vida é a roda; o oleiro gira a roda e apenas ele controla a velocidade dela. Como cristãos, nossa vida não é controlada pelo acaso ou pela sorte, mas por Deus. Ele determina as circunstâncias da vida que nos moldam. 

        A desobediência é o defeito; seria maravilhoso se o barro sempre se entregasse às mãos do oleiro, mas isso normalmente não acontece devido o pecado. O profeta viu o vaso defeituoso se quebrar nas mãos do oleiro ser feito de novo com o mesmo barro. 

        As provações são o forno: Nenhum vaso tem qualquer utilidade até passar pelo forno. O calor enrijece e embeleza o vaso e aumenta sua utilidade e valor. A vida tem seus fornos. O Senhor sabe exatamente quanta provação podemos suporta. I Co.10.13. Os cristãos que levam  vidas protegidas fora do forno do Senhor perdem muitas bênçãos de sua graça que os que estão dispostos a sofrer com Cristo e por ele recebem.